Infecções Urinárias

SINTOMAS

Os sintomas mais comuns da infecção urinária “simples”, a cistite, são ardência para urinar, aumento da frequência urinária – vai várias vezes ao banheiro mas sai pouco urina; alteração da cor da urina – podendo haver sangramento urinário.

Em infecções mais graves, os sintomas podem ser mais acentuados. Entre eles, dor nas costas, febre, mal-estar geral, pulso acelerado e confusão mental também podem estar presentes.

Em idosos, é possível ver estados de febre e confusão mental sem causa específica e que somente com uma avaliação mais rigorosa identificamos como foco a infecção urinária. Devem procurar sempre que suspeitarem para evitar complicações e tratamento inadequado.

A incidência de cistite (infecção urinária na bexiga) é maior em mulheres do que em homens. “Cerca de 12 a 40% das mulheres em idade reprodutiva vão ter pelo menos um episódio de infecção no período de um ano”, citou o urologista. Este fato acontece por questões relacionadas à própria anatomia feminina, relação da uretra com a região genital feminina há um risco maior de desenvolver infecções urinárias em mulheres.

As crianças também podem ser afetadas, mas em geral é necessário que algum fator de risco esteja presente como alguma malformação do trato urinário, condições de refluxo urinário e diminuição da imunidade. Mas, na presença de algum desses fatores, o aprendizado do bom esvaziamento da bexiga, higienização adequada e ingestão de líquidos da forma correta são fundamentais para proteção da criança.

 

FATORES QUE PODEM CAUSAR A INFECÇÃO URINÁRIA

  • Reter a urina por longos períodos de tempo;
  • Ingestão de poucos líquidos;
  • Atividade sexual com novo parceiro, pouca lubrificação para atividade sexual;
  • Usar roupas úmidas e que dificultam a transpiração (roupas de poliéster);
  • Má higienização da região íntima.

 

TRATAMENTO

Normalmente o tratamento envolve o aumento da ingestão de líquidos e uso de antibióticos, além de medicações para controlar os sintomas. Em geral, em três dias é possível tratar a maioria das infecções não-complicadas.

Já nos casos de infecções mais graves ou em pacientes de risco, o tratamento com medicação endovenosa e em regime de internação pode ser necessário, pelo menos nos primeiros dias de tratamento. Nessas situações, o tratamento é mais prolongado chegando até 2 a 3 semanas. Durante o tratamento, cuidados de prevenção são importantes, principalmente revisando os hábitos de vida que podem ter contribuído para o surgimento da infecção.

É importante ressaltar que o diagnóstico deve ser feito por um médico. É possível atestar a infecção somente com exame clínico. Em casos mais graves, é preciso investigação exames laboratoriais de sangue e urina. Muitas vezes pode ser necessário exames de imagem como ultrassom e tomografia para avaliar a presença de outros fatores que podem estar causando ou perpetuando o processo de infecção (como por exemplo cálculos renais ou malformações).

Marque já sua consulta!