É possível viver com um único rim?

É possível viver com um único rim?

Nós urologistas nos deparamos com essa pergunta muitas vezes, especialmente quando indicada a retirada do rim (nefrectomia) para fins de doação para transplante renal ou por motivo de doença, como no caso da presença de câncer renal ou infecção grave.

Afinal de contas, podemos viver com um único rim? E mais importante, é seguro viver com um único rim?

Em geral, é muito seguro viver com um único rim. Existem até pessoas que nascem com somente um único rim. Mas é muito importante entender que com um único rim, os cuidados devem ser redobrados quanto ao controle de comorbidades, cuidados com a dieta, prática de exercícios físicos e ingestão de líquidos.

Aqueles pacientes que já apresentam algum problema de saúde antes de serem submetidos a nefrectomia (como diabetes, hipertensão, aterosclerose) estão sujeitos a maior risco de desenvolver doença renal no rim remanescente e precisam ser acompanhados mais de perto após a cirurgia.

Existem estudos que falam a respeito do risco para os doadores de rim de desenvolver algum problema de saúde após a nefrectomia e que podem servir para explicar os riscos para pacientes que vão fazer outro tipo de cirurgia:

– Alguns estudos mostram que há um pequeno aumento da chance de aumento da pressão arterial ou da quantidade de proteína na urina ao ficar somente com um rim. Mas com a avaliação anual e periódica, se essa alteração acontecer pode ser acompanhada e mesmo tratada.

– O risco de um doador de órgãos saudável de desenvolver doença renal após doação é muito baixo (menor do que 0,5% em alguns estudos), risco que chega a ser menor do que o da população geral (já que os doadores de órgãos são selecionados e devem ser saudáveis).

– O risco de doença renal terminal em doadores de rim é baixo. Entretanto, alguns grupos estão sob risco um pouco maior como doadores muito jovens, de etnia negra, doadores aparentados com o receptor que teve doença renal por causa imunológica e acima do peso.

Concluindo, é seguro viver com um único rim, na maior parte das vezes. Se você vai doar o rim para um parente é muito importante que pense com cuidado sobre esse importante ato. Os riscos existem, são pequenos mas podemos fazer muitas coisas para evitar problemas futuros.

Se você vai ser submetido a nefrectomia por conta de um tumor renal ou outra doença renal em que é necessário remover um dos rins, o controle de doenças que podem levar a problemas renais no futuro, acompanhamento com o nefrologista e cuidados com a dieta e sua saúde de uma forma geral são importantes para que você possa viver bem e sem medo com um único rim.

Carlos Watanabe

Dr. Carlos Watanabe atende na área de urologia e cirurgia minimamente invasiva. Atuante na área de cirurgia robótica/laparoscópica oncológica, é especializado em transplante renal, conta com ampla experiência em uro-oncologia e também atua na área de microcirurgia e tratamento de cálculos renais complexos por via minimamente invasiva.